Como diz o sábio Chapolin Colorado: - sigam-me os bons!

Para leitura completa dos versículos disponíveis nas postagens do Blog, todos os links são de acesso direto ao capítulo referente no BIBLIAONLINE.


27 de agosto de 2012

Entrego à ti meus dons

O que precisamos é deixar Deus encontrar conosco porque Ele quer restaurar essa constante comunhão que foi perdida com o pecado. 

Todos nós temos dons específicos dados por Deus para realizarmos seu chamado e através destes, que o Senhor fala conosco e manisfesta sua gloria sobre nossas vidas. Isso torna a nossa busca para alcançar as almas, muito prazerosa. 

O Senhor não obriga ninguém a nada, mas se temos um dom, devemos usa-lo para o que ele foi predestinado e assim encontrar a Deus, se deixarmos esses dons dentro do baú ele inútil, melhor então não o te-lo, mas se usarmos da forma que deve ser, ahh meu amado, então prepare-se para sentir a presença de Deus e ter encontros muito mais seguidos com Ele, ter um crescimento espiritual constante, e quanto mais se conhece a Deus, mais percebemos que não conhecemos nada dEle e que somos totalmente dependente desse Deus maravilhoso e que há muito para aprender.

No meu ponto de vista creio que se realizarmos a sua vontade, aquilo que Deus quer; obedecendo seu chamado estaremos encontrando mais a Deus,  encontrando mais a Deus teremos o que passar para as pessoas e assim alcançar mais almas para o Senhor; alcançando mais almas para o Senhor é sinal que temos amor por elas e com o amor... ahh sem Ele tudo seria em vão.

Frase do dia

“Deus usa o sofrimento para nos desmamar da autoconfiança 
e nos fazer depender exclusivamente dEle.”

Amor é quando você tem todos os motivos para desistir de alguém, e não desiste.

Deus não desistiu de você.

Simples e poesia


Simplicidade é o esquecer de si, do seu orgulho, é quietude, alegria, espontaneidade, reflexão, verdade sem ser pretensiosa. 

É o "eu" mais leve, purificado, libertado. 

Um amigo já me disse uma vez que eu preciso guardar o meu coração acima de tudo, porque dele provém a vida. E eu sigo meu pequeno caminho, com o coração leve, a alma em paz, com alguns objetivos. 

Sem pressa... E com as minhas sapatilhas gastas, pela longa caminhada, eu rio da inutilidade dos scarpins. O que me alivia e me salva é a família. Meu reino, meu mundo e isso me basta. 

Nada tenho a buscar, pois tudo está ali. Há coisa mais simples que a simplicidade? Não, não há. Então, muito obrigada, estou satisfeita.

Até quando vale a pena?


Muitas vezes, vivemos relacionamentos difíceis, que nos causam muito mais tristezas, decepções e dores do que alegrias e satisfação, mas, por algum motivo que nem nós mesmos sabemos qual é, insistimos em manter essa relação. Teimamos em tentar de novo, nos agarramos em palavras que não correspondem com a realidade nem com as atitudes tomadas pela outra pessoa. E assim, confusos e perdidos nesta sensação entre o amor que gostaríamos de viver e o que realmente estamos vivendo, não sabemos o que fazer!

Convencidos de que amamos a outra pessoa, nos enchemos de forças e coragem para lutar por ela, mas logo depois, percebemos que não há reciprocidade, que a pessoa não está disposta a lutar, a tentar de verdade, a cumprir o que promete e então vemos nossas esperanças se diluírem e a nossa dor aumentar ainda mais. 

Algumas pessoas adoecem, entram em depressão, sentem-se desmotivadas, afastam-se dos amigos, perdem até o emprego por causa de uma relação que mais parece uma tortura, esmagando sentimentos e desejos. Neste momento, por mais que não queiramos ouvi-la, a pergunta se repete em nossa alma e exige uma resposta: vale a pena continuar? Vale a pena insistir? Será que existe a possibilidade de conquistar essa pessoa definitivamente?

Enfim, creio que a resposta não seja tão objetiva, especialmente porque não podemos prever o futuro com tamanha clareza. No entanto, esta é sem dúvida a hora de olhar para nós mesmos e nos respeitarmos, nos valorizarmos e acima de tudo, nos amarmos. 

Não tenho dúvidas de que se não fizermos isso, a outra pessoa também não fará, mas se ao contrário decidirmos nos reconquistar, lutar por nós mesmos, enxergarmos o que temos de bom e nos reerguermos, haverá uma saída, ou seja, ganharemos força e discernimento para descobrirmos a resposta certa: se vale a pena ou não! 

Se valer, estaremos prontos para exigirmos o que queremos desta relação, mostrando à pessoa que merecemos ser amados, respeitados e valorizados e ela se realmente nos amar estará disposta a nos dar o que merecemos. 

E se não valer, estaremos prontos para abrir mão deste relacionamento que não nos tem trazido nada de bom, que tem servido apenas para nos deixar angustiados e desesperados com tamanha indecisão, incerteza e incoerência.

Então, se você estiver vivendo um relacionamento que tem lhe causado mais dor do que alegria, eu sugiro que você se faça algumas perguntas e seja sincero consigo mesmo, a primeira é: você realmente ama esta pessoa? Se a resposta for não, então nem precisa responder as próximas questões, mas se for sim, então pergunte-se: tem dado o melhor de você para tentar salvar a relação? Depois avalie a pessoa amada está disposta a salvá-la também? As atitudes dela demonstram um verdadeiro amor ou expressam indiferença, incompreensão e desrespeito? Caso ambas estejam dispostas a se reconquistarem é bem provável que consigam, mas se apenas você estiver disposto a isto, o melhor a fazer é colocar um ponto final nesta história, pois um relacionamento se compõe de dois corações e nunca de apenas um! 

Talvez, um dia, esta pessoa esteja pronta para viver esta relação e volte a lhe procurar, mas por enquanto os fatos estão mostrando que não dá mais! Lembre-se que uma pessoa se apaixona por outra por causa de suas qualidades e depois, com a convivência e então aprende a aceitar os seus defeitos. 

Meu conselho é cuide de você, expresse mais as suas qualidades, melhore seus pontos fracos, supere suas limitações e torne-se uma pessoa apaixonante. Não desperdice a sua vida insistindo numa relação que não lhe faz crescer, que não torna você uma pessoa mais consciente e mais inteira. E nunca se esqueça que o Universo lhe dá exatamente aquilo que você acredita que merece! 

Portanto, trate de se valorizar e assim terá certeza absoluta de que você merece muito mais!

Quantas vezes...



Quantas vezes nós pensamos em desistir, deixar de lado, o ideal e os sonhos; Quantas vezes batemos em retirada, com o coração amargurado pela injustiça; Quantas vezes sentimos o peso da responsabilidade, sem ter com quem dividir.

Quantas vezes sentimos solidão, mesmo cercado de pessoas; Quantas vezes falamos, sem ser notados; Quantas vezes lutamos por uma causa perdida; Quantas vezes voltamos para casa, com a sensação de derrota.

Quantas vezes aquela lágrima, teima em cair, justamente em que parecemos ser fortes; Quantas vezes pedimos a Deus, um pouco de força, um pouco de luz.

E a resposta vem... seja lá como for

 Um sorriso,
 Um olhar cúmplice,
 Um cartãozinho,
Um bilhete.

17 de agosto de 2012

2 Coríntios 1:3-4

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação; Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus.

13 de agosto de 2012

Namorar ou ficar só?



O primeiro namoro, o primeiro beijo... 
O sonho de poder um dia amar e ser amado, casar e ser feliz para sempre.

O tempo passa, e o namorado não vem... 

- Deus esqueceu-se de mim! Todo mundo tem namorado, só eu que não! Algum dia já passou isso em sua cabeça? O fato de estar solteiro para muitos é fator de muita frustração. Alguns, por não terem encontrado a pessoa certa, acabam desanimando... A vida cristã parece ficar vazia, sem motivação. Alegam até falta de poder para testemunhar alguns até sentem o desejo de  afastar-se por completo de Deus. "Se Deus não é capaz de me dar um namorado, não dá para entregar as outras áreas da minha vida à Ele", racionalizam e iniciam uma "briga" com Deus. 

As causas de alguns não encontrarem sua cara metade, podem ser várias: 

  • Falta de habilidade para conversar com as pessoas - uns acham-se tímidos demais, não conseguem expor seus pensamentos e conversar descontraidamente. Evitam contatos, principalmente com o sexo oposto. 
  • Dificuldade de estabelecer relacionamentos profundos - não conseguem colocar para fora algo do seu íntimo. São capazes de conversar sobre tudo, mas sentem grandes dificuldades de compartilhar seus sentimentos. 
  • Auto - rejeição - pessoas que não se amam, possuem uma baixa auto-estima, sentem-se inferiorizadas e acham que ninguém será capaz de amá-las. 
  • Dificuldades familiares - por motivo de alguma enfermidade na família, problemas financeiros, impossibilidade dos pais sustentarem a casa, principalmente os que são filhos mais velhos, acabam tendo que assumir estas responsabilidades e não encontram espaço para se dedicarem à sua vida afetiva. 
  • Traumas emocionais - pessoas que em algum momento de sua vida, sofreram grandes perdas, ou abusos emocionais e até mesmo sexuais, adquirem bloqueios que os impedem de aprofundar seus relacionamentos afetivos. 
  • A falta de uma relação afetiva eficiente com o pai - a ausência do pai, por motivo de morte ou divórcio. Ou lares, onde os pais não desenvolveram um relacionamento de amizade e companheirismo, criam nos filhos inseguranças, dificultando o contato com pessoas do sexo oposto e uma sexualidade sadia. 
Existem muitas outras causas que podem impossibilitar uma pessoa de se relacionar afetivamente. O importante é que esses motivos sejam detectados e tratados, mesmo que isso implique em buscar ajuda de um terapeuta profissional cristão e de bom testemunho. 




ESPERAR OU IR À LUTA? 

Deus nos fez criaturas sociais (não é bom que o homem esteja só, Gn 2.18), emocionais e afetivas, portanto, querer compartilhar sua vida com alguém é perfeitamente natural. Se você tem esses anseios, louve a Deus por isso! Você é normal! 

O que devo fazer enquanto não tenho um(a) namorado(a)?

Encontramos várias atitudes entre os solteiros: 
  • Os que não mostram a cara. Fecham-se no seu mundo, não vão a lugar algum e ficam esperando que o "eleito" caia do céu, num enorme pacote, com um lindo laço de fita. 
  • Os que acham que ao saírem para conhecer outras pessoas, Deus os castigará pela "falta de fé" de não terem aguardado. 
  • Os conformados, mas ao mesmo tempo fatalistas. "Deus quer assim, esse é o meu destino, morrerei solteiro"
  • Os reclamões, murmuradores - Só se queixam e não fazem nada para mudar a situação. 
  • Os desesperados. Morrem de medo de ficar "encalhados"

Seja qual for a sua atitude diante da vida de solteiro, uma coisa é certa: enfrente o fato sem abaixar seus padrões. Não é porque o tempo de espera está longo demais, que você vai sair por aí e dedicar-se a qualquer um. 

Aproveite este período de solteiro, para cultivar amizades, é uma das grandes vantagens desta fase. Muitos dos nossos amigos que temos até hoje, são pessoas que conhecemos no período que ainda nem namorávamos. As pessoas interessantes, que até levávamos diante de Deus em oração, para saber se seria uma boa opção para namorar, tornaram-se grandes amigas. O período de aproximação (conversa e amizade desinteressada), para um conhecimento melhor um do outro, com objetivos de um futuro namoro, contribuiu para fazer surgir uma amizade sadia, apesar do namoro nem acontecer. 

Quando então surgir uma pessoa que, à primeira vista parece adequada a suas expectativas, o melhor a fazer é aproximar-se, buscar conhecê-la melhor, através de bons papos. 

Detalhe: a pessoa interessante, nem precisa saber de imediato as suas intenções. Depois de muitas observações e avaliações, os princípios bíblicos obedecidos, muita oração e paz no coração, você poderá chegar a algumas conclusões. Caso haja reciprocidade de sentimentos, (que a esta altura, depois de tanta conversa, você já deve ter sentido o clima, certo?) É o momento de declarar seus objetivos, abrir o jogo e juntos buscarem uma definição para os rumos do relacionamento: - Namoro ou Amizade




SOLTEIRO, DE BEM COM A VIDA 

Neste tempo de ministério entre a juventude temos encontrado pessoas adultas solteiras, que sentem-se muito bem. Encontraram uma forma equilibrada de ajustar-se à sua realidade e estão de bem com a vida. 

Acreditar que só o casamento traz felicidade, é um mito. Quem fica a vida inteira vivendo sob este estigma, só perdeu tempo na vida. O casamento é bom, foi instituído por Deus e também é uma benção, mas é preciso percorrer um caminho de luta e crescimento, para obter-se harmonia entre os cônjuges. 

O sofrimento não escolhe estado civil. Portanto, buscar uma vida equilibrada e feliz, é um desafio para todo ser humano, seja casado ou não. Ser solteiro não é maldição, nem praga e nem desgraça. É um estado circunstancial para alguns, ou um dom dado por Deus, para outros.

O dom do celibato, ou seja permanecer solteiro, está na lista dos dons citados na Bíblia. É um presente do Pai para alguns dos seus filhos, para que sirvam de modo especial ao Reino de Deus. Você não tem sentido o toque do Espírito, para uma vida dedicada a Ele, sozinho, sem um cônjuge? Dentro de você há uma vontade de ter alguém, para compartilhar sua vida? Uma coisa é certa: dom de celibato você não tem! Se você não está namorando, aproveite este tempo para buscar conhecer-se melhor. Informar-se sobre os padrões de Deus para o namoro, como construir relacionamentos duradouros; os planos de Deus para uma vida de casado. Enfim, tudo que possa dar-lhe uma boa preparação para uma vida a dois. Assim, quando Deus, em sua soberania colocar em sua vida a pessoa com quem você irá se casar, você também terá cumprido a sua parte, nesse processo de espera.

Qualquer que seja o momento em que você esteja passando, (se o tempo de espera aos seus olhos está sendo longo demais), lembre-se sempre o que diz Paulo, ..."a vontade de Deus é boa perfeita e agradável"(Rm 12.2).

10 de agosto de 2012

"Às vezes é preciso se afastar das pessoas que você ama. Mas isso não quer dizer que você ama menos. Às vezes você ama ainda mais."

Que eu me lembre de ser feliz enquanto ainda estou vivo


Que eu possa respeitar opiniões diferentes da minha. Que eu possa me desculpar antes do ódio. Que eu possa escrever cartas de amor de repente. Que eu possa viajar para adorar a distância. Que eu possa voltar para dizer o que não tive coragem. Que eu pense em meu amor ao atravessar a rua. Que eu pense na rua ao atravessar o amor. 

Que eu dê conselhos sem condenar. Que eu possa tomar banho de cachoeira. Que eu seja a vontade de rir. Que eu possa chorar ao assistir filmes. Que eu não seduza para confundir. Que eu seduza para iluminar. Que eu não sacrifique a confiança pela covardia.

Que eu tenha dúvidas, melhor do que certezas e falir com elas. Que eu faça amizades falando do tempo. Que eu possa brincar mais com meu filho sem contar as horas. Que eu possa amar mais sem contar as horas. Que eu use somente as palavras que tenham sentido. Que eu prove a comida nas panelas. Que transforme a raiva em vontade de me entender.

Que eu possa soltar os vaga-lumes que prendi em potes. Que eu me lembre de ser feliz enquanto ainda estou vivo. 

— Carpinejar

A vitória é para quem crê




Força amiga <3